sábado, dezembro 23, 2017

12

13 razões que levam pastores ao suicídio



Por Hermes C. Fernandes

Recentemente, às vésperas do Natal, dois pastores deram cabo de sua vida. A repercussão foi imediata.  Tornou-se assunto de debates nas redes sociais, no final dos cultos, na escola dominical, nos seminários. O que, afinal, levaria um pastor a tirar a própria vida? O que poderia justificar tal desatino? Será que ele não pensou na dor que causaria em seus familiares e amigos? Não pensou no escândalo que geraria para a igreja? Proponho que examinemos honestamente a questão sem pender para especulações teológicas acerca da possibilidade de um suicida ser ou não salvo.

Para início de conversa, precisamos entender que o pastor é um ser humano como outro qualquer. Assim como o grande profeta Elias, ele está sujeito às mesmas paixões e angústias.

Tendo por base minhas experiências com suicidas em potencial, inclusive pastores que me confidenciaram o desejo de tirarem sua vida, elenco a seguir treze razões que poderiam levar um ministro do evangelho a considerar tal possibilidade.

1 – Pressão por perfeição moral – Se há alguém que não tem o direito de errar, esse alguém é o pastor.  Qualquer deslize no campo moral o desabilitaria a continuar pregando o evangelho. Todos esperam que ele seja um exemplo a ser seguido em todos os aspectos. Sua família deve ser a típica de comercial de margarina. Seu casamento, irretocável. Seus filhos, irrepreensíveis. Ele deve estar acima da média no desempenho de todos os seus papéis sociais. Ao perceber-se inapto a atender a esta demanda moral desumana, ele desaba. “Não me sinto digno de ocupar aquele púlpito”, confessam alguns ao se sentirem hipócritas cada vez que pregam sobre uma perfeição moral que não são capazes de alcançar. Sentem-se como os fariseus denunciados por Jesus, que colocavam sobre os ombros dos outros, o que não conseguiam carregar sobre os seus. Em vez de pastores, acham-se impostores. Duas possibilidades lhes vêm à mente: desistir do ministério ou desistir da vida. Caso optem pela primeira, terão que conviver com o estigma de covarde e desertor; alguém que olhou para trás e por isso não é digno do reino dos céus. Por isso, a segunda opção começa a soar plausivelmente tentadora. Se tirarem a vida, não estarão aqui para ouvir piadinhas. Ouvem falar de colegas que são capazes de levar uma vida dupla. Mas eles, definitivamente, não têm estômago para isso. Preferem a morte ao cinismo.

2 – Expectativas desumanas – Por mais que se esmere, o pastor nunca consegue agradar a todos os que lhe foram confiados. Todos têm direito a férias.  Exceto o pastor. Todos têm direito a um dia de folga. Menos o pastor. Qualquer um pode ficar doente. O pastor, não. Todos estão sujeitos a ter suas desavenças conjugais. O pastor, nem pensar. Todos contraem dívidas que não podem pagar. O pastor, jamais! Os fiéis querem encontra-lo sempre sorridente e bem disposto. Ao menor sinal de abatimento, suspeitas são levantadas acerca de sua comunhão com Deus. Se estiver de carro velho, criticam-no por não ter fé. Como seguir a um homem que não tem fé para trocar o carro todos os anos? Mas se estiver de carro novo, acusam-no de estar se locupletando da fé dos irmãozinhos. Qualquer coisa que venha a fazer, tem que ficar se explicando para não escandalizar aos mais fracos na fé. Se adoecer, prefere manter segredo e sofrer sozinho até se recuperar. Chega ao ponto em que suas forças se esvaem e acaba sofrendo um esgotamento nervoso. O constante estresse vai drenando suas energias até deixa-lo em frangalhos. Neste estado, pensamentos suicidas podem lhe ocorrer com certa frequência. Se lhe falta coragem de atentar contra sua própria vida, ele apela a orações suicidas ao estilo de Elias e Jonas.

3 – Críticas e comparações – Todos conhecem um pastor melhor que o seu. Se é brincalhão, chamam-no de palhaço. Se é do tipo sério, chamam-no de ranzinza. Se apresenta candidatos nos cultos, chamam-no de interesseiro. Se se nega a fazê-lo, chamam-no de idiota alienado. “Bom mesmo é o pastor Beltrano...”, dizem alguns. “Vejam como sua igreja está cheia!” Se não o comparam com algum pastor midiático bem-sucedido ou com o pastor de alguma igreja próxima, comparam-no com seu antecessor: “Aquele sim é que era pastor de verdade...”  Para convencer-se a subir ao púlpito a cada dia sem perder o prazer de pregar, diz para si mesmo: “Nem Jesus conseguiu agradar a todos, não serei eu que vou conseguir esta proeza.”  Esta desculpa pode até funcionar por um tempo, mas chega uma hora que o que antes era prazeroso passa a ser penoso. O friozinho na barriga é substituído pelo estômago embrulhado. As pernas bambas por pés arrastados que sustentam pernas que parecem pesar uma tonelada. Se a mensagem parar de fluir, o fim estará próximo. Não havendo razão para continuar no ministério, talvez não haja mais razão para viver.

4 – Vida conjugal incompatível – Boa parte dos pastores casou-se cedo demais para evitar uma vida sexual ativa pré-marital. Em outras palavras, casaram-se só para poder fazer sexo sem culpa. A mesma igreja que exerce pressão para que os namorados se casem o quanto antes, faz pressão para que tenham filhos logo em seguida. Mal começaram a aprender a conviver, e lá vêm os filhos. Sem gozar de um tempo necessário para se adequar à vida conjugal, o casal começa a enfrentar constantes crises. As relações sexuais vão ficando cada vez menos frequentes. Os diálogos, raros. A igreja passa a ser uma fuga para o pastor que já não tem prazer de estar em casa. Sua libido é deslocada para as atividades ministeriais. Alguns descambam para a pornografia. Outros acabam se entregando a relações extraconjugais. E há até os que recorrem aos préstimos de profissionais do sexo. Um número relativamente pequeno, embora crescente, opta pelo divórcio mesmo sabendo do alto preço que terá que pagar. A igreja prefere que o pastor e seu cônjuge exibam um sorriso hipócrita no púlpito a vê-los realmente felizes e realizados. Mal percebe que os elogios que o pastor faz à esposa em público pode ser uma tentativa de salvar o casamento. Para manter seu ministério intacto, o pastor prefere seguir em frente com seu matrimônio de fachada e assim, ainda que não tire sua vida de uma vez, vai se suicidando à prestação. A culpa não é dele, nem da esposa. A culpa é da pressão religiosa que os fez contrair um matrimônio fadado a naufragar devido à incompatibilidade. Podem até professar a mesma fé, mas são jugos desiguais. Ambos infelizes tentando aparentar viver uma lua-de-mel infindável.  Há casos como o de Jó, em que o pastor ouve dos lábios da própria esposa a sugestão de tirar sua vida.

5 – Sexualidade mal resolvida – Sem dúvida, trata-se de um terreno pantanoso. Mas ouso afirmar, com base em casos que me chegam ao conhecimento, que o púlpito tem se tornado no armário no qual muitos escondem sua verdadeira orientação sexual.  No fundo, a igreja não tem problema com a homossexualidade, mas com a verdade. Se o pastor for homossexual, porém, discreto, mantendo sob sigilo absoluto sua orientação sexual, a igreja não o rejeitará. Em vez disso, fará vista grossa a seus trejeitos femininos ou a qualquer outra coisa que sugira uma homossexualidade enrustida, desde que mantenha um casamento de fachada ou se declare celibatário. Obviamente, a primeira opção é a mais concorrida. Não são todas as igrejas que aceitam numa boa um pastor celibatário. Viver uma mentira sempre será a pior das opções, mesmo sendo a mais conveniente e socialmente aceitável. Sob o manto da hipocrisia, alguns pastores procuram garotos de programa durante as madrugadas. Outros se deixam envolver emocionalmente por membros de sua congregação, vivendo uma espécie de amor platônico inconfessável. Outros acabam mantendo sórdidos casos amorosos que, quando vêm a público, provocam escândalos irreparáveis. No afã de evitar tudo isso, alguns se deixam seduzir pela proposta suicida.

6 – Difamação“Os escândalos são inevitáveis. Mas ai de onde vêm os escândalos”, teria dito Jesus. Quem ama a obra de Deus, jamais deseja ser um estorvo a ela. Por isso, muitos preferem se anular, vivendo de maneira inautêntica. Mesmo assim, são obrigados a suportar às más línguas de gente inescrupulosa, invejosa e cruel. Trata-se de pessoas que ficam à espreita, esperando um escorregãozinho que seja, ou ao menos um indício de que algo não esteja correto, para saírem por aí detonando a reputação alheia. Infelizmente, alguns prezam mais o seu bom nome do que a sua própria vida. Por isso, preferem a morte a ver seu nome enlameado.

7 – Surto psicótico – A mente humana é um impenetrável labirinto em que muitas vezes se esconde um minotauro. Não subestime a sua complexidade. Aquele homem polido, de fala rebuscada, elegantemente trajado, pode ser um psicótico prestes a surtar, bastando um clique de uma situação traumática e angustiante insuportável. O que muita gente julga ser sinônimo de espiritualidade à flor da pele e manifestações de dons espirituais, pode não passar de um surto psicótico. Ele vê coisas que ninguém vê. Ouve vozes frequentemente. Suas mensagens se tornaram desconexas. É possível que esteja surtando. Daí para um desatino pode ser um pulo.

8 – Culpa – Todos pecam! Mas nem todos sabem lidar com a culpa. Mesmo sabendo da disponibilidade do perdão divino, muitos pregadores da graça se negam a perdoar a si mesmos. Vivem esmagados pelo peso da culpa. Nem sempre por haver cometido alguma falta. Por vezes, se culpam por não serem tão bons quanto gostariam de ser. Culpam-se por não atenderem às expectativas do seu rebanho. Culpam-se pela falta de crescimento da igreja. Culpam-se até pelo deslize de terceiros.

9 – Lidar com jogo de interesses entre membros – Nada mais desgastante do que estar no meio de um cabo de guerra. De vez em quando, Jesus se via num fogo cruzado entre fariseus e saduceus. Nem Paulo escapou disso. Se atende à solicitação de um grupo, acusam-no de predileção. Se não atende, sentem-se preteridos. Se evita entrar em contendas, dizem que está em cima do muro. O que resta ao pastor?

10 – Conflitos existenciais“Será que fui mesmo chamado para ocupar esta posição?”, “seria esta a minha vocação?” ou: “Eu acho que não passo mesmo de um embuste.” São frases que insistem em ocupar a mente de muitos ministros. Dentre os mais agudos conflitos existenciais, destaca-se o produzido pela sensação de que a sua vida é mais lamentada do que seria a sua morte. Para quê viver se a vida deixou de ser motivo de louvor a Deus? Quem se sente confortável ao saber que sua vida se tornou motivo de queixa e murmuração?

11 – Solidão – Não há classe mais solitária que a pastoral. Ainda que cercado por uma multidão, o pastor se sente só. Ele tem seguidores, mas falta-lhes amigos. Ele tem quem ouça seus sermões, mas poucos que se ofereçam para ouvir suas angústias. Sabe que tudo o que disser poderá ser usado contra ele. O amigo de hoje pode ser o desafeto de amanhã. Por isso, prefere isolar-se.  Mas o isolamento cobra caro à alma. Sem ter com quem se desabafar, vai acumulando sentimentos nocivos até que um dia, explode.

12 – Depressão – Não se trata de estar ocasionalmente triste, mas de perder totalmente o ânimo pela vida. Elias pediu a morte quando passou pelo vale da depressão. Jonas, idem. Ambos vinham de situações em que foram ministerialmente bem-sucedidos. Elias havia acabado de protagonizar um dos mais icônicos episódios do Antigo Testamento, fazendo descer fogo do céu ante os olhos de todo o Israel. Jonas havia testemunhado a conversão de toda uma cidade através de sua pregação. O sucesso, porém, não os impediu de fazer a oração suicida. É possível estar dirigindo um carro do ano, morando num condomínio luxuoso, com o nome estampado nas manchetes dos jornais, gozando de notoriedade, e, ainda assim, ficar deprimido a ponto de não querer mais viver.

13 – Ingratidão, traição e abandono – Se não quiser experimentar tais coisas, não se meta com ministério pastoral. Todos os candidatos ao pastorado deveriam ser avisados antes. A maioria só enxerga o glamour. Não imaginam as noites mal dormidas, as enxaquecas constantes, as manchas no corpo, o risco de um AVC fulminante, etc.  Tudo isso é potencializado pela ingratidão de que é uma vítima constante. Pessoas a quem se dispôs a ajudar, repentinamente, tornam-se desafetos e saem difamando-o sem dó, nem piedade. A ingratidão costuma desaguar na traição, e, consequentemente, no abandono. Justamente aqueles em quem confiou cegamente, são os que o abandonam nos momentos cruciais de sua jornada. Sem chão e sem fôlego para prosseguir, a morte passa a ser uma tentadora alternativa.

Apesar das razões elencadas acima, nenhuma delas deveria ser suficiente para levar um homem de Deus a dar cabo de sua vida. Se deixarmos de olhar para nós mesmos, e de nos distrair com as críticas dos que nos cercam, não nos restará alternativa senão a de olhar firmemente para Jesus, autor e consumador de nossa fé. Somente assim não desfaleceremos e cumpriremos nossa jornada sem ter do que nos envergonhar.

Qualquer decisão nesta vida pode ser revertida, com exceção do suicídio. É mais necessário coragem para prosseguir do que para interromper drasticamente nossa caminhada. Então, bola pra frente! Não é aqui o nosso descanso!

"Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus." SALMOS 42:11



12 comentários:

  1. Uma visão inteligente de um fato que começa a formar o caos em nosso tempo. Apesar das ilustrações serem um mapa diagnóstico de uma situação delicada, obviamente são momentos onde satanás se aproveita da limitação humana para ceifar alguém.
    Parabéns pelo artigo Bispo Hermes.

    ResponderExcluir
  2. Adoro os comentários deste pastor . Eu creio que são poucos os pastores com essa visão a respeito da fragilidade humana.

    ResponderExcluir
  3. Interessante o texto, lógico que nem todo suicídio de um pastor será necessariamente por conta dos encargos do ministério. Ele é ser humano antes de ser pastor. Mas a vida de um pastor é repleta de desafios, mesmo que ele ame o ofício, isso não o insenta das pressões. Falo por experiência própria. Um grande abraço nobre Bp Hermes.

    Pr.Daniel Pereyra (Igreja Casa da Bênção)

    ResponderExcluir
  4. Anônimo10:40 AM

    O pastor ou qualquerpessoa, enfim, deve saber que avida é assim. Ela se manifesta de acordo com nossa construção existencial.É preciso coragem para viver. Viver nesse mundo é perigoso.O necessário é que toquemos a vida pra frente. Nada justifica o suicĺdio.Quem cai nessa armadilha não aprendeu como a vida funciona.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o artigo. Esclarecedor, objetivo, autêntico. Sem enrolação vai direto ao assunto destemidamente.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Muito boa a reflexão amigo Hermes! Que o Senhor nos abençoe e guarde nessa caminhada de luta que é a nossa carreira! Obrigado mais uma vez.

    ResponderExcluir
  7. Paulo Filho6:12 PM

    Assunto delicado muitos sofrem essas questões na vida preso muito a vida de pastores com Paulao Maiúsculo eles como seres humanos tendo o livre arbítrio podem tomar a decisão que quiserem. Só acho que eles nunca leram que os suicidas não herdaram o reino dos céus. Abandonem o ministério e vão viver suas vidas, já vi tantos fazerem isso, não vejo nada de vergonhoso......

    ResponderExcluir
  8. Muito bem analisado o percurso de vida de um pastor .E quantas esposas tambem acompanham esse sofrimento e estão sozinhas e nao é conveniente ,nem confiante que tenham uma amizade para partilhar...tambem há suicidios.ás vezes há sinais de depressão.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom este comentário! Parabéns pr, seus textos são uma benção! Vou copiar o link e postar no grupo da igreja. Deus o abençoe e feliz ano Novo repleto de realizações e paz!

    ResponderExcluir
  10. Maravilhosa reflexão, meu Amigo, como sempre em todas as outras. Estudante de Teologia, para ser ordenado padre religioso, levarei tais conselhos, para bem geri-los na minha vida e missão, na tentativa de jamais sofrer com tantos desatinos oriundos da ofício sagrado. Já me encaixo em alguns pontos, mas já luto, para vencer tais desafios. Embora o sofrimento, seja necessário, para a purificação de nossa vida e caminhada, quero confiar na Graça de Deus, para transformá-los em oportunidades, para meu crescimento humano e espiritual. Enfim, mais uma vez, são ótimos e verdadeiros conselhos, muito bem refletidos com verdades de fatos incontextáveis. Grande abraço e continue sendo este profeta, que grita no deserto e que com a permissão de Deus, sua voz sempre ressoará em lugares e corações necessitados de vida e salvaçâo.

    ResponderExcluir
  11. Grande esclarecimento sobre qual poderia ser o motivo que leva um Pastor ao suicídio. Creio eu que um pastor esta sujeito aos mesmos problemas que qualquer um. Mais um nascido de novo, que creia na salvação em Jesus, jamais vai tirar sua vida.

    ResponderExcluir
  12. Obs* O propósito de liberdade de expressão defendido ao rodapé desta página parece não estar cumprindo seu objetivo, pois esta já é a segunda vez que posto este comentário. Obrigado.

    Fico muito preocupado com uma classe pastoral que não consegue deixar de focar somente no próprio umbigo. Fala-se do suicídio como se fosse uma tormenta que passasse apenas, ou principalmente, pela classe pastoral.
    Na maior parte, senão o todo, dos comentários neste artigo sequer menciona a quantidade de membros leigos que, como o pastor ou qualquer outra pessoa, frequentemente é atingida por pensamentos suicidas.
    Se uma classe pastoral é capaz de mexer neste tabu quando a água bate em seus calcanhares, mas ignora quase completamente a mesma realidade na membresia, pode ela sim ser chamada “classe”, mas de modo algum “pastoral”, pois não vê, nem entende o que se passa com o rebanho.
    Uma classe pastoral que se ocupa, primordialmente, com o cuidado de si mesma ao passo que se esquece do rebanho, em minha opinião, necessita destas ondas de terror para que se qualifique, sensibilize e fortaleça, a fim de que se torne apta a pensar preventivamente o sofrimento dos que não estão em evidência, razão única e exclusiva de seu chamado e ministério.

    ResponderExcluir